Turismo religioso

Caminhos de Fátima: as peregrinações até Fátima e qual a melhor rota

Caminhos de Fátima

Os caminhos de Fátima são muito procurados desde o século XVIII por peregrinos e fiéis de Nossa Senhora de Fátima. Se tornou muito comum caminhar até a Cova da Iria e a Capela das Aparições, onde o Anjo da Paz fez suas aparições. Conheça a história desta tradicional peregrinação portuguesa e confira dicas para quem deseja realizar essa caminhada da fé.

História de Fátima

Nossa Senhora de Fátima é a santíssima imagem revelada como Senhora do Rosário aos três pastorinhos videntes de Fátima. Também conhecida como invocação mariana, mãe de Deus e de Jesus. Sua primeira aparição aconteceu durante a Primeira Guerra Mundial e levantou fiéis para intercederem pela paz.

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

Ganhou este nome por sua primeira revelação ter acontecido na freguesia de Fátima em Portugal, e revelou-se como “a senhora mais brilhante que o Sol”.

O segredo de Nossa Senhora de Fátima foi se revelando ao longo de um período de 6 meses, onde ela aparecia uma vez por mês para três crianças videntes que apascentavam rebanhos nesta região, até revelar-se definitivamente como a Senhora do Rosário, a de brilho intenso.

A primeira aparição foi registrada pelos três pastorinhos, na Cova da Iria, na freguesia de Fátima em Portugal. O testemunho das crianças que tiveram a visão, conhecidos como Lúcio, Francisca e Jacinta contam que o fato se deu pela primeira vez em 13 de maio de 1917.

História da Rota

Desde 1917, muitos peregrinos rumavam por rotas que levavam para a cidade de Fátima, em atos de fé para a pequena Capela das Aparições, na Cova da Iria. Após a construção do Santuário de Fátima, o percurso passou a ser mais procurado por pessoas que buscavam espiritualidade ou romeiros que buscavam pagar promessas.

Só por volta de 1996, os Caminhos de Fátima foram todos identificados e melhorados com infra-estrutura pelo Centro Nacional de Cultura. Através do desenvolvimento das rotas, atualmente os peregrinos tem melhores condições e segurança ao percorrer essa caminhada de fé e autoconhecimento.

Inicialmente, por volta de 1917, as rotas mais conhecidas pelos romeiros eram as atuais estradas principais que, na época, não eram vias de intensa circulação. Embora as estradas principais sejam as vias mais curtas e rápidas, acabam por ser as mais perigosas para peregrinação.

O que é a rota?

Os Caminhos de Fátima, identificados e desenvolvidos pelo Centro Nacional de Cultura desde 1996, foram criados como alternativa as estradas principais, com pouco tráfego de carros e muito mais seguro para a peregrinação, além de uma maior conexão com a natureza, propiciando um ambiente favorável a busca religiosa e de autoconhecimento.

As rotas formam uma rede de percursos religiosos e culturais no território português, que podem ligar-se a outros itinerários de âmbito como as Rotas Marianas e o famoso Caminho de Santiago da Compostela.

Hoje em dia, os Caminhos são percorridos por muitas pessoas que procuram o turismo religioso. Os peregrinos são em grande parte portugueses, mas também há os estrangeiros que buscam essa caminhada de fé. Apesar de os caminhos de Fátima serem procurados principalmente por religiosos, acabam sendo utilizados por públicos variados, com interesses e destinos bem específicos, já que no percurso há trechos de grande importância cultural e de beleza natural para caminhadas locais.

Por que fazer a rota?

A rota dos Caminhos de Fátima são muito indicadas para pessoas que tem uma grande devoção e ligação com Nossa Senhora de Fátima, a história e a cultura que ali nasceu se fazem muito presentes até os dias atuais. Todos que percorrem o caminho até a Capela das Aparições com o espírito voltado a devoção, sentem a presença da Santa intercessora e milagrosa, além de uma imensa paz especial e poderosa.

A rota também pode ser percorrida independente da religião, já que o caminho é riquíssimo em beleza natural, montes e vegetação pouco modificada pelo homem. Uma excelente opção para conhecer a região e as cidades nos arredores.

Confira outros destinos para fazer turismo religioso no Brasil e no Mundo.

Onde fica Fátima

Fátima é uma pequena cidade localizada a 127 km de Lisboa, na Serra de Aire, pertence ao distrito de Santarém, na província da Beira Litoral, sub-região do Médio Tejo.

A cidadezinha ganhou fama internacional devido ao aparecimento de Nossa Senhora de Fátima relatada pelos três pastorinhos durante um período de seis meses, de maio a outubro de 1917.

 

Quais as rotas disponíveis?

Atualmente são conhecidas 4 rotas principais que levam os fiéis até seu destino final no Santuário de Fátima, mundialmente conhecido por sua grandeza. Confira as principais rotas disponíveis para os Caminhos de Fátima:

Caminho do Tejo

O caminho entre Lisboa e a cidade de Fátima, parte do Parque das Nações e é conhecido pelo nome de Caminho do Tejo.

Fazendo a caminhada por esse percurso, o peregrino terá que ter fôlego para percorrer 141 kms que passam por Santarém. O Caminho do Tejo oferece muitos pontos para alojamento e descanso de fiéis que passam alguns dias e noites caminhando.

Há um trecho que coincide com o Caminho de Compostela a sul do Pavilhão de Portugal, tudo devidamente sinalizado.

Caminho do Norte

O Caminho do Norte tem praticamente todos os trechos em comum com o Caminho de Santiago, porém tem mais do que o dobro de quilometragem, totalizando 260 km de estrada em território português.

Há quem diga que as paisagens do norte compensem todos os passos a mais por esta rota que possui início da fronteira de Valença, trespassando por Coimbra e pelo Porto.

O Caminho do Norte também conta com diversos pontos de alojamento e restauração.

Caminho da Nazaré

O Caminho de Nazaré liga a cidade de Nazaré a cidade de Fátima através de 260 quilômetros. Esta rota pode ser percorrida nos dois sentidos, isso porque muitos seguem até o ponto em que o mar encontra a terra, e podem ter uma linda vista no pôr do sol, além de estar em contato com outro destino religioso e ligado a outro milagre.

Rota Carmelita

A Rota Carmelita foi completamente instalada só em 2012, sendo a mais recente. Com o ponto de partida em Coimbra, próximo ao Convento do Carmelo, por isso nomeada desta forma, possui 111 quilômetros até a Cova da Iria.

Antes de escolher a melhor rota para sua caminhada, lembre-se de acompanhar a situação atual dos percursos pelo site do Centro de Cultura Nacional.

Qual o tempo de duração dos caminhos

Dependendo da rota escolhida, do condicionamento físico e da duração das pausas para descanso e restauração, o peregrino poderá levar de 3 a 5 dias na caminhada espiritual.

Leve em consideração seu condicionamento físico e os lugares que deseja conhecer pelo caminho na hora de escolher a melhor rota. O site da Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima poderá te auxiliar com propriedade do melhor caminho a ser percorrido.

Existe ajuda no meio do caminho?

Além de ser uma opção segura com baixo tráfego de carros, a estrada conta com sinalizações e apoio a pedestres, como carros de apoio e acolhimento no albergue Porto da Luz. Todo esse auxílio só se tornou possível, graças a Associação de Amigos dos Caminhos de Fátima, que fez a marcação com mais de 4.000 setas por todo o percurso, mantem um site com informações, emite credenciais peregrinas, forma guias, e ainda acolhe peregrinos.

Dicas pra os romeiros

Antes de começar a trajetória, pesquise o roteiro que mais te agrada, que se encaixe na quantidade de dias disponíveis e no seu limite de condicionamento físico. Não esqueça de carregar garrafas de água (as de 500 ml são ótimas), o kit de primeiros socorros é essencial junto aos medicamentos básicos ou de rotina.

Para os itens de higiene básicos, escolha frascos pequenos e suficientes, opte por lenços ou papel higiênico distribuindo conforme sua necessidade. E por último, e não menos importante, tente se preocupar o menos possível com celulares e câmeras grandes. Elas podem te distrair e cada minuto de caminhada contam muito.

Reserve o celular apenas para as fotos imperdíveis e aproveite a viagem.

O que levar na mochila?

Na mochila só o essencial! Levar desapego para carregar somente o extremamente necessário. Lembre-se que quanto mais pesada a mochila, maiores são as chances de chegar a exaustão mais rapidamente, inclusive pode ser ter tornar uma das causas de bolhas nos pé e dores nas costas.

A estação do ano vai dizer o que é essencial levar na mochila, leve trocas de roupas suficientes, meias serão essenciais, afinal os pés vão merecer atenção especial. Um ótimo parâmetro é que a mochila tenha apenas 10% do peso de quem vai carregá-la e que seja impermeável, assim como a escolha do calçado. Tecidos resistentes e que não molham são boas escolhas.

COMPARTILHE