Notícias

Catedral da Sagrada Família pagará 36 milhões de euros

Basílica Sagrada Família em Barcelona pagar 36 milhões de euros

A catedral da Sagrada Família, em Barcelona, terá que pagar 36 milhões de euros depois de ter estado, por 136 anos, sem qualquer licença de construção. A atividade foi iniciada em 1882 e tem continuado até hoje.

Sobre a decisão

O pronunciamento foi feito em 18 de Outubro pela prefeita da cidade, Ada Colau Ballano, através da sua conta no Twitter.

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

Segundo Ada, a multa de 36 milhões de euros deverá ser paga nos próximos 10 anos, sendo que:

    • 22 milhões estão destinados para melhorar a rede de transportes público
    • 7 milhões em acessibilidade ao metrô da cidade
    • 4 milhões para a urbanização das ruas de Barcelona
  • 3 milhões para manutenção, limpeza, segurança e agentes cívicos

O fato por trás disso tudo é bastante curioso e surpreendente, pois os responsáveis pela construção desse monumento nunca obtiveram uma licença de construção válida. A única permissão que se tem conhecimento data de 1882, quando a Prefeitura de Sant Martí de Provençals autorizou Gaudí a dar prosseguimento ao plano.

Mas Gaudí não integrou a catedral na lista de registro de propriedades, e, desde 1995, a Sagrada Família aparece apenas como um terreno vazio pertencente à diocese de Barcelona.

Objetivo do acordo

O acordo realizado entre a Câmara Municipal de Barcelona e a construtora encarregada pelas obras na basílica tem como objetivo licenciar essas obras. Tal negociação já foi iniciada em 2015 e o plano urbano especial está programado para ser anunciado ainda no final desse ano. Até lá, o trabalho continuará sem qualquer controle.

De acordo com Esteve Camps, presidente do conselho de construção, ele está determinado a completar o projeto original de Gaudí, afirmando que “como herdeiros de Gaudí, defenderemos a conclusão do seu projeto na negociação.”

A intenção é que a basílica seja concluída em 2026 para marcar o centenário da morte de Antoni Gaudí.

Consequências

As implicações de tudo isso são enormes. Como exemplo, consta nos esboços do arquiteto uma enorme entrada que exige que aproximadamente dois quarteirões ao entorno sejam demolidos, além da expropriação de empresas e de cerca de 150 casas. Ou seja, é urgente e necessária uma regulamentação.

Há ainda em planejamento a construção da Torre de Jesus Cristo, a mais alta das 18 torres planejadas, que deverá atingir 172,5 metros, prevista para estar pronta em 2022. Ainda segundo o conselho de construção:

As 18 torres farão parte de um corpo artístico extraordinário que mudará dependendo do ponto de vista e invocará sensações de elevação e apoio em torno da torre central de Jesus Cristo.

Turismo na catedral

A Sagrada Família teve um aumento considerável de visitas turísticas, totalizando cerca de 12 mil por dia, permitindo um faturamento anual de cerca de 50 milhões de euros. Um dos principais motivos do disparo no número de turistas foi devido à consagração do monumento pelo Papa Bento XVI. A catedral obteve, assim, a posição de basílica podendo realizar missas.

Consagração

Em 2010, o Papa Bento XVI consagrou o Templo Expiatório da Sagrada Família durante uma missa solene acompanhada por oito mil pessoas no interior do templo, e outras 50 mil no exterior.

Segundo o líder da Igreja Católica, essa consagração visou “mostrar a todos que Deus é um Deus de paz e não de violência, de liberdade e não de constrangimento, de concórdia e não de discórdia”.

E ainda acrescentou:

Pela sua obra, Gaudí mostrou-nos que Deus é a verdadeira medida do Homem, que o segredo da verdadeira originalidade consiste, como ele dizia, em regressar à origem de Deus.

No dia anterior à consagração, Bento XVI havia dito a propósito da Sagrada Família ser um obra dedicada à Santa Família, afirmando que “o problema da família, elemento fundamental da sociedade, é o que mais está em jogo hoje”. E ainda aproveitou para saudar a fé de Antonio Gaudí.

A celebração eucarística com a dedicação da igreja e do altar foi muito bonita e especial para todos que ali se encontravam. Depois de entregar as chaves do templo ao padre, o Papa iniciou a consagração jogando água benta sobre o altar e os fieis, enquanto outros seis padres benziam as paredes da construção.

História da catedral

O Templo Expiatório da Sagrada Família, ou simplesmente Sagrada Família, é a obra mais importante do arquiteto catalão Antonio Gaudí (1852 – 1926). Uma joia arquitetônica, reflexo da sua imaginação e do seu estilo distinto. É considerado por muitos críticos como a obra-prima de Gaudí e representação da arquitetura modernista catalã.

Inspirada nos costumes das catedrais góticas e bizantinas, a sua construção foi iniciada há mais de um século, em 1882.  Um projeto do arquiteto diocesano Francisco de Paula del Villar deu vida ao que se tornaria um dos símbolos de Barcelona: o Temple Expiatori de La Sagrada Familia.

E este monumento icônico ainda está a uma década da sua conclusão.

Entrada de Gaudí

Financiado unicamente por contribuições privadas, o projeto foi assumido por Gaudí, em 1883, quando ele tinha 31 anos de idade. A complexidade de sua estrutura requereu um enorme financiamento, motivo que retardou a sua realização.

Nas palavras do próprio Gaudí, “o templo como um todo, além de ser um lugar para o culto divino, representará artisticamente as verdades da religião e a glorificação de Deus, e os seus santos ”.

Grande parte de suas obras é marcada pelas suas três grandes paixões: arquitetura, natureza e religião. A beleza ornamental dessa estrutura imponente vem da combinação entre a representação cristã e as formas únicas do arquiteto, inspirada naquilo que encontramos na natureza.

A devoção católica de Gaudí se intensificou ao longo da sua vida e a sua obra é rica no imaginário religioso, o que levou que fosse proposta a sua beatificação. Nos seus últimos anos de vida, Gaudí devotou-se exclusivamente à religião católica e à construção da Sagrada Família.

Acontecimentos mais marcantes

O templo é palco habitual de numerosos atos culturais e encontros religiosos, e, ao longo das décadas, teve vários eventos de destaque:

  • Em 1920, celebrou-se o Ano Jubilar de São José com procissões, peregrinações e missas, e cantou-se o Aleluia de O Messias de Händel por mil cantores de orfeões vindos de toda a Catalunha, dirigidos por Lluís Millet
  • Em 1953, por ocasião do 35º Congresso Eucarístico Internacional celebrado em Barcelona, foi inaugurada a iluminação artística da fachada da Natividade
  • Em 1981, foi inaugurada a Praça Gaudí em frente à catedral, com um projeto de jardins de Nicolau Maria Rubió i Tudurí, onde se destaca o tanque, em cujas águas fica refletido o templo
  • Em 1982, por ocasião do centenário da colocação da primeira pedra, o templo recebeu a visita do Papa João Paulo II

Simbologia por trás da obra

O simbolismo cristão está presente em toda a obra da Sagrada Família, que, de forma cenográfica, apresenta a vida do nosso Senhor Jesus Cristo e a história da Fé. Com esse objetivo, o templo foi sendo construído segundo a ideia original de Gaudí.

O esquema arquitetônico encenou locais que evocam Jesus e os seus fiéis, representando Maria, os apóstolos e os Santos.

Podemos observar essas disposições nas torres que simbolizam Jesus, a Virgem Maria, os quatro evangelistas e os doze apóstolos. As três fachadas representam a vida humana de Jesus, do nascimento até à morte. E no interior sugerindo a Jerusalém Celeste, onde, uma série de colunas dedicadas a cidades e continentes representam os apóstolos.

Além de toda essa magnitude, os temas da decoração da catedral incluem palavras e expressões da liturgia católica:

  • A decoração das torres com palavras como “Hosanna”, “Excelsis” e “Sanctus”
  • Os grandes portões da fachada da Paixão reproduzem textos bíblicos em várias línguas
  • A fachada da Glória decorada com palavras do Credo dos Apóstolos

Como visitar a Sagrada Família

Se você se interessou pela riqueza de detalhes em sua história, visitar a Sagrada Família será um grande passeio cultural, e sobretudo cristão. Repleto de alegrias por nos remeter a Deus e à vida católica, já que, para Gaudí, a Sagrada Família era um hino de louvor a Deus, no qual cada pedra era uma estrofe.

Como chegar

A Sagrada Família se encontra na rua Carrer Mallorca, 401, 08013 em Barcelona, na Espanha.

Transporte público:

  • Metrô: Sagrada Família (Linha Azul, L5) e (Linha Roxa, L2)
  • Ônibus: Mallorca / Marina: 19, 33, 34, 50, 51, H10

Há também estacionamento de carro nas proximidades.

Horários de Funcionamento

Os horários de funcionamento variam entre as estações:

  • Novembro a fevereiro: 9:00 às 18:00
  • Março: 9:00 às 19:00
  • Abril a setembro: 9:00 às 20:00
  • Outubro: 9:00 às 19:00
  • 25 de dezembro, 26 de janeiro e 6 de janeiro: 9:00 às 14:00

Aos sábados, domingos e feriados, o local abre das 9h às 14h, e das 18h às 21h. A cripta, onde se encontra o túmulo de Gaudí, abre de segunda a sexta-feira, das 9h às 10h, e das 18h às 21h.

Melhores horários para visita

Início da manhã, entre 9h e 10h, já que as filas para os elevadores e multidões são menores pela manhã. Evite ir entre meio-dia e 15h como estas tendem a ser as horas mais lotadas.

A segunda melhor época para visitar a Sagrada Família é após as 16h. Comece com as Torres primeiro, depois visite a Igreja e finalmente visite a Cripta, pois ela se abre por volta das 18h para a missa. A Sagrada Família funciona de Segunda a domingo, das 9h as 20h.

Leia mais notícias do mundo católico no Rumo da Fé.

COMPARTILHE