Religião Católica

Culto Mariano em Portugal: a homenagem a virgem Maria

culto marianoculto mariano

O culto mariano em Portugal data milhares de anos atrás. Contamos neste artigo como os portugueses começaram a venerar a imagem de Virgem Maria, e como a crença foi passada de geração em geração neste país tão religioso e católico.

O que é o Culto Mariano?

O culto mariano trata-se da honra e veneração que principalmente, cristãos da denominação católica, prestam a Virgem Maria.

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

Do latim, “cultus” significa honra, homenagem, veneração e reconhecimento. Desta forma, é possível compreender que o culto mariano é um ato de reconhecimento e admiração ao amor que nós dedicamos a Nossa Senhora.

O culto mariano em Portugal trata-se da veneração apenas da Virgem Maria, o que o torna diferente do culto divino e do culto dos santos e anjos. Onde o culto divino é a adoração que tributamos exclusivamente a Deus e sua santa Trindade.

O ato da adoração é a total submissão e dependência exclusivo a Deus, porque Ele é o Criador e o Senhor. Não existe a adoração a Maria, apenas a admiração e homenagem, já que ela não é uma divindade, e sim foi uma criação de Deus, assim como nós. Sua história de vida ganha admiração até os dias de hoje.

Por isso não se engane, se alguém dizer que nós católicos idolatramos Maria, a verdade é uma só dentro da Igreja, somos devotos de Maria, e temos grande admiração por sua coragem e grande exemplo de vida, rendida a Cristo.

 

A História do Culto Mariano em Portugal

A devoção à Maria fez história em Portugal desde os primórdios da nação. Por volta do século XII, o fundador do reino e Primeiro Rei de Portugal, Afonso Henriques, entregou a proteção de seu país a Nossa Senhora.

A promessa teve grande importância pública, já que foi feita em sessão solene e assinada na Catedral de Lamego, em 28 de Abril de 1142. A importante data é relembrada como o batismo de Portugal, que passou a ser chamada de Terra de Santa Maria.

A história de Portugal conduzida por Afonso, é repleta de dedicações e homenagens em honra da Virgem Maria. Em Santarém, foi construído um mosteiro dedicado a Santa Maria de Alcobaça, alguns anos após a cidade ter sido retomada da invasão dos Mouros.

Círios e peregrinações fazem parte da emblemática devoção, anualmente peregrinos acendiam e caminhavam com uma vela até o altar de Maria, nomeado como círio da Virgem do Cabo. Caracterizando um do mais antigos círios portugueses.

Há ainda outro detalhe a respeito do Culto Mariano em Portugal: todas as catedrais foram dedicadas à Nossa Senhora de Assunção, além de cerca de um terço das igrejas paroquiais.

Nossa Senhora da Imaculada Conceição declarada oficialmente como santa protetora de Portugal, por decreto real. Decreto este que substituiu a decisão das Cortes, em razão de agradecimento à independência da nação em 8 de Dezembro de 1640.

Desde esta data, as grandes instituições e universidades, adotaram o dogma da Imaculada Conceição antes mesmo da proclamação do Dogma pela Igreja, em 1854.

 

Altares Marianos

Em Portugal, grande maioria dos altares, santuários e igrejas paroquiais são reconhecidamente altares dedicados à Virgem Maria, devido a história de fundação do país.

O Santuário de Nossa Senhora de Fátima é a principal referência de devoção mariana, além de ser o mais ilustre e mais frequentado.

Os tão falados acontecimentos de Fátima tornaram conhecida mundialmente a proteção e as aparições de Maria na Cova Iria. Conheça mais sobre a história da aparição da Nossa Senhora de Fátima na cidade de Fátima para os três pastorinhos.

Capela de Nossa Senhora da Lapa

A história que deu origem a Capela Mariana, é um milagre milenar, da época da reconquista cristã do final do século X. Religiosas em fuga da guerra, esconderam a imagem da Virgem sob uma lapa, também conhecida como uma rocha que forma uma gruta. Muitos anos depois, a jovem pastora Joana de 12 anos redescobriu a imagem, e quando sua mãe tentou dar fim a sua descoberta, ela recuperou a fala para impedir a mãe de tal ato.

O milagre deu origem a um culto e a peregrinações ao local. Os primeiros fiéis colocaram a imagem no interior da gruta e ali rezavam e agradeciam.

Até os dias de hoje, acontece anualmente a Festa da Senhora da Lapa celebrada em 15 de agosto, e que continua atraindo milhares de peregrinos.

Localização: A Capela de Nossa Senhora da Lapa está situada na Lapa, Quintela, Sernancelhe – Portugal.
Telefone: +351 232 688 993
Visitação: verão 09h – 20h; inverno 09h – 18h.

Catedral de Angra

Em pleno Atlântico, trata-se de uma igreja renascida dedicada ao culto mariano em Portugal. Sobreviveu a um terremoto e a um incêndio na década de 80.

A Igreja do Santíssimo Salvador da Sé é um templo imponente, construído a partir de 1568 para sede do bispado da cidade de Angra que fora instituído em 1534 pelo Papa Paulo III.

A cidade de Angra do Heroísmo, começou a se desenvolver no século XVI, quando passou a ser escala obrigatória para as carreiras marítimas de embarcações da Mina, Índia e Brasil. Aliás, a beleza arquitetônica e paisagística da cidade lhe presenteou com o título de patrimônio mundial pela UNESCO.

Localização: Rua da Sé, cidade de Angra do Heroísmo, localizada na Ilha Terceira, no Arquipélago dos Açores – Portugal.
Visitação: segunda-feira a sexta-feira 10:00-18:00. Visitas com entrada paga.
Telefone: +351 295 217 850

Catedral de Santarém

Seu primeiro nome foi Igreja de Nossa Senhora da Conceição do Colégio dos Jesuítas, também conhecida como Igreja do Seminário. A atual Sé Catedral de Santarém é um templo do século XVII edificado no local em havia sido uma residência real, doado de geração em geração com a intenção de ser uma Igreja Colégio que ensinasse as lições de Cristo.

Com a arquitetura de origem jesuíta, a fachada da Catedral de Santarém é cenográfica e suntuosa, de nave única ampla, com janelas tribunas e teto pintado em perspetiva.

Num edifício adjacente, é possível visitar o Museu Diocesano de Santarém, que mantém em exposição permanente cerca de 150 peças e disponibiliza várias salas e espaços de visita, que incluem a Sé e o corredor nobre do Paço Episcopal.

Localização: Praça Sá da Bandeira, localizada em Santarém.
Telefone: +351 243 304 060
E-mail: [email protected]
Visitação: terça-feira e quarta-feira 09h30 – 12h30 e 14h00 – 18h00; quinta-feira a domingo encerra às 17h30.

Catedral do Porto

A Catedral do Porto, tem grandes histórias. Resumidamente, foi a primeira cintura de muralhas da cidade, nasceu no século XII. O templo tem outros nomes bem conhecidos, como igreja de Santa Maria do Porto, de Nossa Senhora do Porto da Eterna Salvação ou de Nossa Senhora da Vandoma – que deixa claro a magnitude do culto mariano em Portugal.

O edifício atingiu a sua atual volumetria no século XIII e, no século seguinte, foi-lhe acrescentado o claustro, construído em estilo gótico, tal como o túmulo do cavaleiro João Gordo na capela de São João Evangelista.

Mais tarde, nos séculos XVII e XVIII, o aspeto exterior e interior da catedral foi alterado pelo gosto barroco. Faz parte deste conjunto arquitetônico o grandioso edifício do Paço Episcopal, cuja construção remonta também ao século XII.

Localização: Terreiro da Sé – Porto
Visitação: Igreja (visita livre) – verão: 09:00 – 19:00; inverno: 09:00 – 12:30 e 14:30 – 19:00.
Museus e claustros (entrada paga) – verão: 09:00 – 12:15 e 14:30 – 19:00; inverno: 09:00 – 12:15 e 14:30 – 17:30

Igreja de Nossa Senhora de Sagres

A Igreja de Nossa Senhora de Sagres trata-se de igreja renascentista no Cabo do Mundo.

A Fortaleza de Sagres é um verdadeiro complexo, estrategicamente situada numa elevação de onde se avista a navegação marítima no eixo Atlântico-Mediterrâneo, que dá acesso à Praça de Armas.

Após ter sido reabilitada no seguimento do terramoto de 1755, a Fortaleza de Sagres perdeu a sua função militar no início do século XX, sofreu intervenções de restauro na década de 1960, no âmbito das comemorações dos 500 anos da morte do Infante Dom Henrique, e durante a década de 1990 foi alvo de uma outra intervenção de regeneração.

Localização: Rua da Fortaleza, Sagres
Telefone: +351 282 620 140/ +351 282 620 142
Horário: outubro a abril 09:30-17:30; maio, junho e setembro 09:30-20:00; julho e agosto 09:30-20:30. Última entrada 30 minutos antes do encerramento.

 

Mosteiro de Alcobaça

Outro templo dedicado ao culto mariano em Portugal é o Mosteiro de Alcobaça. Essencial no início da história e citada na introdução do artigo. É a maior igreja gótica da Ordem de Cister.

Também ganhou o título de Patrimônio da Humanidade pela UNESCO, este imponente mosteiro é um dos mais impressionantes e belos testemunhos da arquitetura de Cister em toda a Europa. A Carta de Fundação da Abadia data de 8 de abril de 1153 e, apesar dos seus quase 900 anos, mantém intacto o conjunto das dependências medievais. A sua igreja é a primeira e a maior em estilo gótico primitivo, construída em Portugal durante a Idade Média.

Contemporâneo da fundação de Portugal, o Mosteiro é também um pouco da sua História. Fundado pelo primeiro rei, D. Afonso Henriques, e desde logo consagrado ao culto mariano, nasceu da doação das terras de Alcobaça a Bernardo de Claraval e à Ordem de Cister pela vitória sobre os mouros na conquista de Santarém.

Não deixe de visitar o impressionante conjunto de dependências medievais, das quais se destacam o Refeitório, o Dormitório e a Sala do Capítulo, assim como o Claustro de D. Dinis, a surpreendente Cozinha e a Sala dos Reis.

Localização: Praça 25 de Abril, Alcobaça
Telefone: +351 262 505 120
E-mail: [email protected]
Visitação: outubro a março 09:00 – 18:00 (última entrada 17:30); abril a setembro 09:00 – 19:00 (última entrada 18:30). A bilheteira encerra 30 minutos antes do fecho do monumento.

Gostaram desta prévia de altares monumentais para relembrar a importância do Culto Mariano em Portugal? Em breve a lista será ampliada para quem desejar conhecer os templos por fotos ou presencialmente.

COMPARTILHE