Igrejas e Santuários

Igrejas mais bonitas de Goiás: passeie pelas lindas abadias

igrejas mais bonitas de goiasigrejas mais bonitas de goias

Em várias dessas cidades do Brasil é possível encontrar roteiros do turismo religioso que encantam a qualquer pessoa, sendo ela católica ou não. Neste especial, iremos destacar algumas igrejas mais bonitas de Goiás.

São roteiros que passam por localidades referência de oração e de muita fé. Não deixe de aproveitar cada local citado e, se puder estenda o passeio às demais igrejas e templos católicos, pois em todas todas as cidades há mais de uma igreja local.

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

Igrejas mais bonitas de Goiás

Vamos conhecer algumas da Igrejas de Goiás mais visitadas atualmente?

Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, em Tiradentes

Distante 18 quilômetros de Goiânia, a cidade de Trindade se consolida como segundo destino de turismo religioso mais visitado do Brasil, logo depois de Aparecida do Norte, em São Paulo. Este número se deve graças ao Santuário Basílica do Divino Pai Eterno, uma das igrejas mais bonitas de Goiás, e sua famosa romaria.

A história da origem do Santuário data de 1840 quando um casal de lavradores encontrou um medalhão que retratava a Santíssima Trindade coroando a virgem Maria.

Naquele momento começou a devoção que originou a Romaria do Divino Pai Eterno, também conhecida como Festa de Trindade.

Realizada todos os anos, a romaria é atualmente o maior evento religioso do Centro-Oeste, o segundo maior do Brasil, e a maior festa do mundo dedicada ao Divino Pai Eterno.

A primeira capela foi construída em 1843 e era coberta com folhas de buriti. Com o fortalecimento da fé, capelas maiores foram edificadas, até que em 1912, foi inaugurado o primeiro Santuário do Divino Pai Eterno, hoje conhecido como Santuário Velho ou Igreja Matriz, sede da Paróquia do Divino Pai Eterno. No aniversário de 100 anos, em 2012, foi tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) como Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Em 2013, recebeu um novo tombamento, dessa vez como Patrimônio Cultural Material do Brasil.

Em 1943, durante o centenário da Romaria, o arcebispo de Goiás, na época Dom Emanuel Gomes de Oliveira, lançou a Pedra Fundamental do atual Santuário. Mas somente em 1994, com ajuda dos romeiros e devotos, o templo foi totalmente reformado, tornando-se o “Santuário do Divino Pai Eterno”. Em 2011, foi iniciado o processo para a construção da Nova Casa do Pai, para melhor acolher os devotos. As obras começaram em 2012 e seguem com apoio dos fiéis de todo o Brasil.

Você sabia?

Nos últimos anos, a cidade tem recebido uma média de quatro milhões de visitantes por ano. Sendo que em 2018, três milhões de devotos visitaram o local, durante os dez dias da romaria que ocorreu no período de 22 de junho a 1º de julho.

Na época, a celebração contou com 121 missas, 45 novenas, 27 orações do terço e 11 procissões, além de vigílias, centenas de batizados e dezenas de milhares de confissões. Desfiles e encontros tradicionais também lembram as tradições regionais do Centro-Oeste, como de carros de boi, cavaleiros e foliões abrilhantam a programação do evento, que ainda tem programações artísticas e culturas de entidades públicas e privadas.

Procissão do Fogaréu – Igreja da Boa Morte, Igreja do Rosário e Igreja de São Francisco de Paula

Mais conhecida como Goiás Velho, por ter sido a antiga capital do Estado e fundada no Ciclo do Ouro, a cidade de Goiás (mesmo nome do Estado) realiza anualmente a Procissão do Fogaréu , tradicional procissão católica.

Encenada na cidade desde 1745, a Procissão do Fogaréu, iniciou-se quando o pároco da cidade de Goiás na época, o espanhol João Perestelo de Vasconcelos Espíndola, trouxe o costume à igreja do município que era capital do estado.

Realizada na quinta-feira da Semana Santa, a procissão relembra os últimos passos de Jesus antes de ser preso e crucificado. Ela tem início a 0:00 da quinta-feira santa, com a iluminação pública apagada e ao som de tambores, à porta da Igreja da Boa Morte, na praça principal da cidade. Cerca de 40 homens encapuzados, os farricocos, que representam os soldados romanos descalços, que carregam as tochas enquanto um coro entoa cantos em latim. Uma multidão de pessoas, composta de fiéis, turistas e moradores locais, assistem e acompanham espetáculo, marchando durante todo o trajeto.

Após passar pela Igreja da Boa Morte segue até a Igreja do Rosário (representando o local da última ceia) e chega até a Igreja de São Francisco de Paula, que faz o papel do Monte das Oliveiras, onde Cristo foi preso.

Você sabia?

Que a indumentária utilizada pelos Farricocos caracteriza-se por uma túnica comprida de cores variadas e por um longo capuz cônico e pontiagudo, guardando fortes semelhanças com as vestimentas que ainda hoje são comuns nas celebrações da semana santa na Espanha.

Trata-se, com efeito, de um traje de origem medieval, o qual era costumeiramente utilizado por penitentes que assim podiam expiar seus pecados sem ter que revelar publicamente sua identidade.

Igreja de Santa Efigênia – Niquelândia

O principal monumento histórico da cidade é a Igreja de Santa Efigênia, uma das igrejas mais bonitas de Goiás, foi construída pelos escravos, por volta de 1790, dando a eles um centro religioso que pudesse ser frequentado por negros.

Construída pelos escravos, por volta de 1790, a Igreja de Santa Efigênia foi erguida pelo fato dos escravos não poderem frequentar os centros religiosos dos brancos.

A igreja de Santa Efigênia tem arquitetura colonial, com paredes de adobe. Sua estrutura é de aroeira e o piso de cimento batido. Além de suas belezas naturais, Niquelândia possui duas igrejas, de São José e Santa Ifigênia, que possuem altares entre os mais ricos do Brasil, feitos de ouro puro. Na época, foi construído um pequeno cômodo, junto à parede esquerda da igreja, a frente da sacristia para alojar o vigia, a fim de impedir roubos, mas também a depredação do monumento.

Curiosidade

A imagem original de Santa Efigênia que ficava na Igreja foi enviada para a cidade de Uruaçu, por medo de roubo da capela, mas em Uruaçu a imagem foi furtada, e assim Niquelândia perdeu sua imagem de Santa Efigênia.

 

COMPARTILHE