Notícias

Papa Francisco sugere vender bens da Igreja em ajuda aos mais necessitados

Papa sugere vender bens da IgrejaPapa sugere vender bens da Igreja

O Papa Francisco ressaltou a importância de doar os bens da igreja para ajudar os mais pobres.

Essa declaração foi feita durante o Congresso sobre a Gestão dos bens culturais eclesiásticos e a Cessão de lugares de culto. Ele foi realizado pelo Pontifício Conselho para a Cultura com a colaboração da Conferência Episcopal Italiana, no dia 29 de Novembro de 2018. Segundo o Pontífice:

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

Os bens culturais são voltados às atividades de caridade desenvolvidas pela comunidade eclesiástica. O dever de tutela e conservação dos bens da Igreja, e em particular dos bens culturais, não tem um valor absoluto, mas em caso de necessidade eles devem servir ao bem maior do ser humano e especialmente estar a serviço dos pobres

Não deve ser a primeira e única solução

Para Francisco, o valioso patrimônio cultural da Igreja Católica deve estar “a serviço dos pobres“. No entanto, ele ponderou ao ressaltar que a cessão de bens da Igreja “não deve ser a primeira e única solução“.

Mas, também, não pode ser feita sob “escândalo dos fiéis” e que, portanto, essa deve ser última opção.

Redução de locais de culto

Além disso, o Papa enviou uma mensagem aos participantes do congresso, que também debateu sobre a redução de locais de culto. A mensagem foi lida pelo presidente, Card. Gianfranco Ravasi, no início das atividades.

É importante dizer que essa reflexão já foi iniciada há algum tempo no plano técnico em âmbito acadêmico e profissional. Além de ter sido enfrentada por alguns episcopados.

Conforme o Papa, a constatação de que muitas igrejas

Não são mais necessárias por falta de fiéis ou padres, ou por mudanças na distribuição da população nas cidades e zonas rurais, deve ser vista como um sinal dos tempos que nos convida a uma reflexão e nos impõe uma adaptação.

O Pontífice concluiu recordando que a edificação de uma igreja não é uma operação que deve ser tratada somente sob o aspecto técnico ou econômico. E sim, deve ser avaliada de acordo com  o espírito da profecia: “Através dele, de fato, passa o testemunho da fé da Igreja, que acolhe e valoriza a presença do seu Senhor na história”.

Importância desse Congresso

 
Leia mais notícias do mundo católico no Rumo da Fé.

COMPARTILHE