Salmos

Salmo 100: confira o salmo completo da Bíblia Católica

salmo 100salmo 100

Confira o salmo 100 completo.

Salmo 100 completo

  1. Celebrai com júbilo ao SENHOR, todas as terras.
  2. Servi ao Senhor com alegria; e entrai diante dele com canto.
  3. Sabei que o Senhor é Deus; foi ele que nos fez, e não nós a nós mesmos; somos povo seu e ovelhas do seu pasto.
  4. Entrai pelas portas dele com gratidão, e em seus átrios com louvor; louvai-o, e bendizei o seu nome.
  5. Porque o Senhor é bom, e eterna a sua misericórdia; e a sua verdade dura de geração em geração.

Os salmos

Do ponto de vista etimológico, a palavra salmo deriva do termo hebreu hizmór que significa cantar ou tocar um instrumento musical. Este significado evoluiu e com o tempo tornou-se uma canção de adoração a Deus. Assim, na tradição religiosa judaica e cristã, o salmo é uma maneira poética de cantar e louvar a Deus de diferentes maneiras (mostrando devoção, gratidão, expressar a necessidade de cumprir a lei divina, com um sentido histórico, profético, etc.).

Quem é o seu Anjo da Guarda? Descubra gratuitamente

Os anjos da guarda são seres divinos designados a nos guardar e proteger de todos os males que a vida terrena pode nos oferecer.


Acreditamos que eles foram criados para serem um intermédio entre os humanos e o divino.

SABER O MEU »

No Antigo Testamento, a religião judaica e cristã compartilham elementos comuns e um deles é o conjunto de salmos, um total de 150, sendo o saltério o livro onde são recopiados.

Embora a autoria dos salmos seja variada, destaca-se que a maior parte deles – cerca de 73 poesias – foi escrita pelo rei Davi; Asafe teria escrito 12 salmos; enquanto Salomão teria criado pelo menos dois deles.

Assim ao recorrermos ao Antigo Testamento podemos verificar que cultuar é tanto um ato como uma atitude. Esses dois aspectos do culto são evidentes na linguagem que o Antigo Testamento usa para descrever a adoração. Logo, cultuar ou adorar significa dar honra a Deus. É o ato de reconhecer a grandeza e a majestade de Deus. É uma expressão externa de uma atitude interna, a convicção de que Deus merece a nossa devoção.

Confira todos os salmos.

O Salmo 100 e suas especificidades

O Salmo 100 é reconhecido como um hino de louvor e um convite para adorar a Deus. Este salmo destaca-se tanto pela simplicidade de linguagem como a profundidade das suas expressões teológicas. Sendo um convite para entrar na presença de JAVÉ com a única intenção de adorá-lo. A linguagem conduz os adoradores até os átrios do templo em Jerusalém onde podem contemplar a grandeza de JAVÉ e oferecer uma resposta. É um salmo que trata tanto das atitudes do adorador como de suas ações.

Neste salmo, o objeto do louvor é o nome JAVÉ. No Antigo Testamento, o nome de JAVÉ é sinônimo do próprio Deus. Por isso, o nome de JAVÉ deve ser respeitado e reverenciado. Javé é um dos nomes de Deus na bíblia sagrada cristã, assim como Jeová.

Etimologicamente, o nome Javé tem origem do hebraixo Yahveh ou Yehovah que na bíblia sagrada foi traduzido para o latim na forma do tetragrama YHVH. Segundo algumas teorias, o significado mais aceito para o nome seria “Eu sou aquele que sou” ou “aquele que traz à existência tudo que existe”.

O motivo do louvor neste salmo é a bondade de Deus. No Salmo Deus ou o Senhor é “bom” (tôv), que a sua “benignidade” (hesed) e a sua “fidelidade” (‘emeth) duram para sempre. A bondade (tôv) do Senhor é entendida aqui em termos do seu hesed, o seu “amor leal”.

No Antigo Testamento, o hesed do Senhor é o amor que serviu como a base da aliança com Israel. O Senhor se tornou o Deus de Israel para todo sempre e seu hesed é a garantia que cumpriria sua promessa. A permanência do amor do Senhor com Israel é ainda mais fortalecida pela palavra ‘emeth’, traduzida como fidelidade.

No Salmo 100, é válido destacar os seguintes elementos teológicos: o convite universal para o louvor, a adoração, o serviço, a participação ativa do adorador, e os motivos da adoração.

O Salmo 100 e o convite universal para louvar

A adoração ao Senhor é uma atividade propagada no mundo inteiro. Este tema universal de adoração se repete em outros salmos, também, vide Salmo 66.1: “Louvai a Deus com brados de júbilo, todas as terras.”

Salmo 96:

Cantai ao Senhor um cântico novo,
Cantai ao Senhor, todos os moradores da terra…

Salmo 99.1:

O Senhor reina, tremam os povos;
Ele está entronizado sobre os querubins, estremeça a terra.
O Senhor é grande em Sião,
e exaltado acima de todos os povos.

Adoração e serviço no Salmo 100

O elemento de serviço ao Senhor faz parte necessária da adoração. No sentido mais específico, o próprio culto é “serviço” prestado ao Senhor. O adorador prestativo deve estar pronto a dedicar-se a ele e uma forma de demonstrar a sua dedicação é por meio da sua adoração. Como podemos verificar nos Salmos 93-99, Deus é exaltado como o Rei majestoso do universo. Já no Salmo 100 chama o mundo que Deus criou para adorar seu Rei.

A participação ativa do adorador

O culto em Israel foi um culto de participação. Os dias de festa, as procissões e os sacrifícios exigiam o envolvimento pessoal por parte do adorador. Os imperativos deste salmo deixam isso muito claro.

Você Sabia?

Javé e Jeová são nomes dados para Deus na Bíblia Sagrada, de acordo com a tradução derivada do hebraico. Atualmente, Javé é adotado por algumas religiões como “nome de Deus”, principalmente pelos católicos. Jeová, por sua vez, é mais usado pelos seguidores da doutrina evangélica ou pela Testemunha de Jeová.

Existem três designações mais frequentes para designar o nome de Deus pelos judeus: El e os seus derivados, Elohim e YHWH (o tetragrama, normalmente traduzido como Javé, Jeová ou Jahweh).

YHWH é o nome próprio do Deus de Israel. Aparece 6828 vezes no Antigo Testamento . Com este nome o Deus de Israel se destingue dos outros deuses. Traduções muito antigas traduziram esse nome com “Senhor” (kyrios), muito usado para “Deus” no Novo Testamento.

El aparece 238 vezes no Antigo Testamento. Significa simplesmente “Deus”. Na Bíblia é muito usado nos textos poéticos. Nos textos que contam as histórias dos patriarcas tal vocábulo é muito usado para denominações de Deus em composição com outras palavras, tais como El Olam (Deus da Eternidade), El Betel (Deus de Betel), El Shaday (Deus todo-poderoso – talvez “Deus da montanha”).

Elohim aparece 2600 vezes no Antigo Testamento sendo exclusivamente com o significado de Deus. Originalmente, e morfologicamente, significa “deuses”, mas adquiriu o caráter de substantivo abstrato e tem, na maior parte dos casos, o valor de singular.

COMPARTILHE